Poemas

Consagração

“Deus Pai ajuntou todas as águas e denominou-as mar; reuniu todas as suas graças e chamou-as Maria.” (S. Luís Maria G. de Montfort)

*

Como não sei, Senhora, erguer-me além de mim,
e o que sou me encaminha a um mísero porvir;

como trilhar sozinha o labirinto horrendo
de cada dia é atalho a terminar perdendo

o fio da meada, como o já perdi
seguidas vezes; como hei de ceder, enfim,

ao pesadelo, se não me livrar de mim,
entrego-me, Senhora, inteira aos pés de ti:

o que tenho, o que sou, o que faço, este canto,
tudo depositado sob o casto manto,

para que tu defendas contra o mal da morte
e da aniquilação. Teu poderoso norte

ostenta sobre a nossa procissão de cruzes
a luz esperançosa com que tu conduzes

as almas mais penosas à conciliação
com a verdade encarnada no teu Coração.

Serás Senhora minha, e eu, se tua escrava
souber – ventura minha! – ser, livre das garras

do mundo em mim, Senhora, então serei feliz
como o só é quem já não é mero aprendiz

da anatomia de teu seio lacerado,
dor que alivias na dureza de teu fardo,

tu que doendo sabes transcender a dor,
compadecendo-te de toda dor maior

(como se houvesse alguma comparável à tua;
nem à Dele, talvez – que Ele era Deus e tu uma

frágil mulher, calada sempre, e torturada).
Senhora minha, dou-te algumas poucas lágrimas

com que aliviares os pesares do jardim
do mundo, que te espera, às voltas com seu fim.

Bem sei que não mereço interagir com a Graça,
mas cega entrego-te tudo o que, em teu regaço.

pode alcançar a altura do amor de teu Filho,
Ele o Rei Redentor, a Verdade e o Caminho.

Intercede por nós, Senhora, medianeira,
empresta-nos tua luz, para que se pareça

nossa infinita pequenez com tua realeza
e o Pai tenha misericórdia e o Filho esqueça

nossa impostura diante de tua casta imagem.
Em ti, Senhora, todos os nós se desfazem;

conciliadora, tu reúnes sob o facho
de luz de teus olhos maternos nossos passos

e pacificas mesmo o que não se alivia,
como a dor que arde em ti. Pois eis-me aqui; envia-me.

3 comentários em “Consagração

  1. Prezada Lorena,
    Estava meditando nestes posts do Olavo de Carvalho:

    “…domínio suficiente do seu próprio idioma enquanto instrumento da arte literária superior…”

    “NÃO HÁ CULTURA SUPERIOR sem o cultivo literário prévio do próprio idioma nativo.”

    Você teria disponibilidade para dar um curso sobre esse domínio/cultivo do português? Ou sabe de alguém que oferece um curso assim?
    Abraço!
    Timóteo

Deixe uma resposta para Lorena Miranda Cutlak Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s